Sistemas de Proteção Passiva Contra Incêndio

Fonte: https://www.apsei.org.pt/media/recursos/documentos-apsei/folhetos-promocionais/sistemas-de-protecao-passiva-1374838845.pdf

O QUE SÃO?

São sistemas que integram a estrutura dos edifícios, e que, em caso de incêndio, e sem dependerem de qualquer intervenção; limitam a propagação e o desenvolvimento do incêndio e garantem a estabilidade e a integridade dos edifícios; permitindo aos ocupantes sair dos edifícios em segurança.

São barreiras físicas que impedem que as chamas, os fumos e os gases quentes resultantes de um incêndio se propaguem entre áreas e edifícios distintos.

COMO FUNCIONAM?

Os sistemas de proteção passiva são materiais com características que não permitem a ignição e o desenvolvimento dos incêndios nem a libertação de gases perigosos, permitindo assim limitar a deflagração e a propagação do incêndio e do fumo nos compartimentos afectados.

Estes sistemas permitem que durante esse tempo não haja propagação do incêndio nos espaços onde estão instalados, pois são capazes de resistir ao colapso e não deixam que as chamas, os gases quentes e o calor os atravessem durante um determinado período de tempo.

QUAIS SÃO?

São produtos e elementos de construção com propriedades específicas (resistência e reação ao fogo), dividem-se em:

Revestimentos de materiais e elementos de construção – são exemplos deste tipo de sistemas os elementos de decoração, de acabamento e o mobiliário com características de reação ao fogo.

Proteção horizontal e vertical dos edifícios – nestes sistemas estão incluídas as paredes e lajes com características de resistência ao fogo e respetivos sistemas complementares, como por exemplo portas, envidraçados e selagens resistentes ao fogo.

COMO GARANTIR A SUA FIABILIDADE?

O projeto e a instalação deste tipo de sistemas devem ser em conformidade com os critérios definidos na normalização e legislação aplicáveis e ter em consideração o risco a proteger e devem ser efetuados por técnicos qualificados e acreditados pela Autoridade
Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC);
A instalação destes sistemas deve ser realizada por empresas de segurança especializadas, registadas na ANEPC, deve respeitar as instruções do fabricante e o respetivo Relatório de Ensaio.
A manutenção deve, igualmente, ser realizada por empresas com os mesmos requisitos, cumprindo sempre as instruções do fabricante e com uma periodicidade mínima anual ou intervalo menor caso a utilização dos sistemas o justifique.

Os sistemas de proteção passiva apesar de não serem tão visíveis como outros equipamentos de proteção contra incêndio como por exemplo, os extintores, os sistemas de proteção passiva são cruciais para assegurar a segurança dos edifícios.

Fonte: https://www.apsei.org.pt/media/recursos/documentos-apsei/folhetos-promocionais/sistemas-de-protecao-passiva-1374838845.pdf